Contribua para a Preservação das Turfeiras em Campos dos Goytacazes: Doe Agora

50f2b75a9827684d680001bf34maias-edicao34-pag56
brasilcamposdosgoytacazescarbonoclima

Desvendando as Origens Míticas dos Goitacá: Uma Narrativa Fundadora

Convidamos o leitor a mergulhar no tempo e na memória, desvendando as origens míticas do povo Goitacá. Por meio de uma narrativa que entrelaça ficção e história, delineamos a jornada épica desse povo ancestral e sua fixação em um território singular. Utilizando como ferramentas a pesquisa histórica e a criatividade literária, buscamos construir uma narrativa fiel à essência cultural dos Goitacás. Os antepassados dos Goitacá habitavam a região andina, possivelmente no Peru, em uma área coberta pela exuberante Floresta Amazônica. Observavam atentamente o voo majestoso dos grandes pássaros que migravam da cordilheira, especialmente o imponente “Marú” *, provavelmente um condor, que pairava sobre a aldeia, pousando nas copas das árvores mais altas antes de retornar às montanhas. “Meu olho está vivo [aberto]!” – proclamavam, não apenas maravilhados com o voo do grandioso Marú, mas também com os pequenos lactentes, cujos olhos fixavam-se nas aves migratórias que seguiam o curso dos rios em direção ao sul ou à região do nascente do sol. Os antigos Goitacá acreditavam que essas aves migratórias viajavam para uma região distante dos Andes, um lugar de abundância de água potável e alimentos inesgotáveis. Em um determinado momento, um dos líderes de um clã decidiu seguir o mesmo trajeto das aves com sua família, em busca do tão sonhado “tacúen” * (“paraíso”, SILVA, 1854, p.237), possivelmente uma planície repleta de lagoas próxima ao oceano. Segundo Antônio G. Dias, essa decisão foi motivada pela fuga da dominação Inca e pela busca pelo paraíso, que segundo a tradição inca, situava-se além dos Andes, na direção leste, sul ou sudeste. A jornada dos antepassados dos Goitacá em direção ao desconhecido ecoa narrativas míticas de diversas culturas, incluindo a mitologia grega dos “campos elísios”. Em 1619, os padres João de Almeida e João Lobato empreenderam uma visita aos “Campos dos Goaitacazes” que cobria uma planície repleta de desafios naturais (VASCONCELOS, 1658, p. 141, 157). A descrição feita pelos jesuítas sobre a planície do norte fluminense ressoa com as observações dos sete capitães, destacando sua exuberância e riqueza natural (MALDONADO & PINTO, 1893, p. 367-368). Essa área tornou-se o lar desejado dos Goitacá, que abandonaram as densas florestas do continente sul-americano em busca de uma nova vida em campos verdejantes e áreas alagadas, cuja beleza e fertilidade eram incomparáveis (DIAS, 1846, p. 161-162; VASCONCELOS, 1658, p. 157). Por meio dessa narrativa fundadora, buscamos honrar a herança e a memória dos Goitacá, tecendo os fios da história e da imaginação para revelar as origens míticas desse povo tão fascinante. *Marú – palavra da língua puri que possivelmente refere-se às aves carnívoras como as águias, condores, gaviões, etc. Tacuén – palavra da língua coroado que significa “paraíso”, “alto”, “céu”.

Referências: – VASCONCELOS, Simão de. Vida do P. Joam d’Almeida da Companhia de Iesu. Lisboa: Oficina Craesbeeckiana, 1658. – DIAS, Antônio Gonçalves & LEAL, Antônio Henriques Obras posthumas de A. Gonçalves Dias: precedidas de uma noticia da sua vida e obras. Brasil, H. Garnier, 1846. – MALDONADO, Miguel Ayres, & PINTO, Jozé de Castilho. “Descripção que faz o Capitão Miguel Ayres Maldonado e o Capitão Jozé de Castilho Pinto e seus companheiros dos trabalhos e fadigas das suas vidas.” Revista trimensal do Instituto Historico e Geographico.

AboutReynaldo Rosa
Graduado em Sistemas para Internet pela Universidade Cruzeiro do Sul, com ênfase em preservação ambiental. Durante minha formação, desenvolvi uma paixão por encontrar soluções inovadoras para os desafios ambientais que enfrentamos. Atualmente, atuo como desenvolvedor de sensores de baixo custo especializado em medir os níveis de Gases de Efeito Estufa (GEE) tanto no solo quanto na água. Através de uma variedade de cursos, aprimorei meu conhecimento em emissões de gases e desenvolvi uma expertise em utilizar sensores MQ-35, comumente empregados em câmaras de gases móveis. Meu trabalho consiste em obter com precisão em tempo real a quantidade de emissões de GEE, levando em consideração variações de temperatura, umidade e clima. Este trabalho é parte integrante do projeto "Turfeiras Vivas" em Campos dos Goytacazes, que lidero com dedicação. Nosso foco é a conservação e revitalização dos ecossistemas de turfeiras, uma missão que considero essencial para o equilíbrio ambiental.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *