Contribua para a Preservação das Turfeiras em Campos dos Goytacazes: Doe Agora

431030061_389405783796535_279556230852946588_n
brasilcamposdosgoytacazes

Grafismos Indígenas: Pontes entre Tribos e Histórias Compartilhadas

Os grafismos indígenas, mais do que ornamentos, são portais para um mundo rico em cultura e história, revelando a identidade e as conexões entre diferentes tribos. Tatuados na pele, esses desenhos transcendem a mera expressão artística, tornando-se parte da própria identidade do indivíduo e da comunidade. No rosto de uma indígena Puri, imortalizado na prancha 28 do renomado artista J. B. Debret, vemos uma representação intrigante: círculos, pontos e linhas paralelas. Esses padrões, meticulosamente desenhados, não são meramente adornos estéticos, mas sim cartões de passagem, marcadores de identidade e testemunhos de conexões ancestrais. Para decifrar esses grafismos, precisamos mergulhar em um mundo onde cada linha e ponto conta uma história. A primeira pista foi registrada pelo príncipe viajante Maximiliano de Weid-Neuwied numa litogravura intitulada “Puris na mata”. O artista de Weid desenhou o que viu no interior da Mata Atlântica Brasileira. O número três, significativo na língua Puri como “prica” – “muitos”, símbolo de pluralidade e existência abundante –, ganhou vida nos três pontos desenhados no rosto do segundo guerreiro puri da fila. Esse trabalho artístico fornece base para uma possível interpretação dos padrões geométricos do grafismo puri. Esses grafismos transcendem a mera expressão artística; são símbolos de uma história compartilhada. Voltando à obra de Debret, chegamos a segunda pista. Cada círculo tem um ponto central e isso talvez indique que cada ponto representa um indivíduo ou subgrupo. É importante ressaltar que são três círculos que lembram as choupanas dos povos macro-jês. De acordo com a cosmovisão Puri, essa é uma nítida representação da pluralidade das tribos, reunidas de três em três – sabonan, uambori e xamixuna (MÉTRAUX, 1946: 523). O barão de Eschwege escreveu que “alguns velhos índios” diziam que os coroados ou puris “dividiam-se antigamente em três tribos; segundo outros, eles se subdividiam em apenas duas … os Meritong e os Cobanipaque.” (ESCHWEGE, 2002, p.90). Portanto, é lógico pensar que os três círculos juntos representam um único e grande povo. Visto que alguns autores dos séculos XIX e XX defendem que existe um parentesco entre os puris, coroados e goitacás, surge a proposta de representar os Goitacá com quatro círculos, cada um simbolizando uma tribo – Mopi, Yacoritó, Wasu e Miri 1 (MASON, 1950 p.301). Essa teia de relações complexas abrangiam a região povoada pelos Goitacá. Não sabemos o real significado dos traços paralelos desenhados nas “maças” do rosto da indígena retratada por Debret. É importante lembrar que o cronista Simão de Vasconcelos referiu-se às “trilhas de gente” deixadas na mata pelos Goitacá-Iacoritó (VASCONCELOS, 1658). Logo, podemos pensar que as linhas entre os círculos talvez representem um caminho aberto nos campos ou florestas. Todos esses simbolismos evocam um passado de mobilidade e intercâmbio cultural. Ao explorar essas representações, somos levados a refletir sobre a natureza das relações entre as tribos indígenas. Os Puri se consideravam parte de uma antiga nação, dividida em muitas tribos, mas unidas por laços ancestrais. Provavelmente, os grafismos, marcadores de identidade, também serviam como cartões de passagem, permitindo o trânsito fluido entre as comunidades. Embora não tenhamos registros detalhados sobre os grafismos específicos de cada tribo, podemos inferir que cada uma possuía sua própria linguagem visual, transmitindo sua história e cultura únicas. Assim, os grafismos indígenas emergem não apenas como expressões estéticas, mas como testemunhos de uma rede complexa de relações intertribais. Eles são os cartões de passagem que os povos indígenas usavam para navegar entre as tribos, conectar-se com seus ancestrais e afirmar sua identidade coletiva em meio às mudanças e desafios de seu tempo.

#Autores: Reynaldo Rosa & Tut-xái Nhiram

Referências BALBI, Adrien. Atlas Ethnographique, Tab. XLI, NO 497.

Tut-xái Nhiram : https://www.facebook.com/profile.php?id=100049738025022

AboutReynaldo Rosa
Graduado em Sistemas para Internet pela Universidade Cruzeiro do Sul, com ênfase em preservação ambiental. Durante minha formação, desenvolvi uma paixão por encontrar soluções inovadoras para os desafios ambientais que enfrentamos. Atualmente, atuo como desenvolvedor de sensores de baixo custo especializado em medir os níveis de Gases de Efeito Estufa (GEE) tanto no solo quanto na água. Através de uma variedade de cursos, aprimorei meu conhecimento em emissões de gases e desenvolvi uma expertise em utilizar sensores MQ-35, comumente empregados em câmaras de gases móveis. Meu trabalho consiste em obter com precisão em tempo real a quantidade de emissões de GEE, levando em consideração variações de temperatura, umidade e clima. Este trabalho é parte integrante do projeto "Turfeiras Vivas" em Campos dos Goytacazes, que lidero com dedicação. Nosso foco é a conservação e revitalização dos ecossistemas de turfeiras, uma missão que considero essencial para o equilíbrio ambiental.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *