Contribua para a Preservação das Turfeiras em Campos dos Goytacazes: Doe Agora

Figure-4-Different-Routes-From-China-To-Brazil-By-Sea
brasilcamposdosgoytacazescarbonoclima

O Porto Sudeste: Contestando a descarbonização do transporte marítimo

As emissões de CO2 do Porto Sudeste são provenientes do consumo de combustível por navios cargueiros que atracam no porto. O combustível fóssil é a principal fonte de energia para o transporte marítimo, e sua queima libera CO2 na atmosfera.

Além das emissões de CO2, as operações marítimas do Porto Sudeste também contribuem para as mudanças climáticas de outras formas. Por exemplo, os navios cargueiros liberam poluentes atmosféricos, como óxidos de nitrogênio (NOx) e óxidos de enxofre (SOx), que contribuem para a formação de chuva ácida e smog.

O impacto das operações marítimas nas mudanças climáticas é um tema importante que merece atenção. A redução das emissões de GEE do transporte marítimo é essencial para combater as mudanças climáticas e seus impactos negativos.

Cálculo:

Distância: A viagem do Rio de Janeiro até um importante porto da China, como Xangai, é de aproximadamente 20 mil quilômetros.
Imagem da rota do cargueiro do Rio de Janeiro para a ChinaAbre em uma nova janela www.sino-shipping.com
rota de navio cargueiro do Rio de Janeiro para a China

 

Consumo de Combustível: Em média, grandes navios cargueiros queimam cerca de 0,25 quilogramas de combustível por tonelada-quilômetro. Então, para esta viagem, um navio transportando 600 milhões de toneladas de carga iria queimar:

Consumo de combustível = Peso da carga * Distância * Consumo de combustível por unidade
Consumo de combustível = 600.000.000 toneladas * 20.000 km * 0,25 kg/ton-km
Consumo de combustível = 300.000.000.000 kg = 300 milhões de toneladas
Emissões de CO2: A queima de uma tonelada de combustível libera cerca de 3,14 kg de CO2.

Portanto, as emissões de dióxido de carbono desta viagem seriam:

Emissões de CO2 = Consumo de combustível * Emissões de CO2 por unidade de combustível
Emissões de CO2 = 300 milhões de toneladas * 3,14 kg/tonelada
Emissões de CO2 = 942 milhões de toneladas

Portanto, cada navio cargueiro que transportasse 600 milhões de toneladas de carga do Rio de Janeiro para a China emitiria aproximadamente 942 milhões de toneladas de CO2.

Pontos importantes a serem observados:

Esta é uma estimativa e as emissões reais podem variar dependendo de vários fatores, tais como:
Tamanho e tipo de navio: navios maiores e mais antigos tendem a ser menos eficientes em termos de combustível.
Tipo de motor: Os motores mais novos são geralmente mais eficientes que os mais antigos.
Tipo de combustível: Diferentes combustíveis têm diferentes emissões de CO2 por unidade de energia.
Condições meteorológicas: O mau tempo pode aumentar o consumo de combustível.

Os principais destinos das cargas do Porto Sudeste são:

  • China: O principal destino das cargas do Porto Sudeste é a China, que importa cerca de 70% do minério de ferro exportado pelo Brasil.
  • Índia: A Índia é o segundo maior destino das cargas do Porto Sudeste, importando cerca de 20% do minério de ferro exportado pelo Brasil.
  • Japão: O Japão é o terceiro maior destino das cargas do Porto Sudeste, importando cerca de 10% do minério de ferro exportado pelo Brasil.
  • Coreia do Sul: A Coreia do Sul é o quarto maior destino das cargas do Porto Sudeste, importando cerca de 5% do minério de ferro exportado pelo Brasil.
AboutReynaldo Rosa
Graduado em Sistemas para Internet pela Universidade Cruzeiro do Sul, com ênfase em preservação ambiental. Durante minha formação, desenvolvi uma paixão por encontrar soluções inovadoras para os desafios ambientais que enfrentamos. Atualmente, atuo como desenvolvedor de sensores de baixo custo especializado em medir os níveis de Gases de Efeito Estufa (GEE) tanto no solo quanto na água. Através de uma variedade de cursos, aprimorei meu conhecimento em emissões de gases e desenvolvi uma expertise em utilizar sensores MQ-35, comumente empregados em câmaras de gases móveis. Meu trabalho consiste em obter com precisão em tempo real a quantidade de emissões de GEE, levando em consideração variações de temperatura, umidade e clima. Este trabalho é parte integrante do projeto "Turfeiras Vivas" em Campos dos Goytacazes, que lidero com dedicação. Nosso foco é a conservação e revitalização dos ecossistemas de turfeiras, uma missão que considero essencial para o equilíbrio ambiental.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *